Prefeitura, SAE e Recicla Ourinhos definem como será descartado o resíduo sólido

Prefeitura, SAE e Recicla Ourinhos definem  como será descartado o resíduo sólido

Prefeitura, SAE e Recicla Ourinhos definem como será descartado o resíduo sólido

Buscando soluções para a destinação do resíduo sólido em Ourinhos em consonância com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a prefeita Belkis Fernandes se reuniu na semana passada com o superintendente da SAE Haroldo Adilson Maranho e a presidente da cooperativa Recicla Ourinhos Matilde Ramos.  
Durante a reunião, ficou definido que o equipamento necessário a ser adquirido para resolver a questão do resíduo sólido é a CTR (Central de Triagem de Resíduo), também conhecida como Usina de Reciclagem, que será utilizada para realizar a triagem e seleção do lixo reciclável, restando apenas a parte orgânica que será transformada em adubo por meio de compostagem. A SAE fará a licitação para adquirir o equipamento em breve.
A prefeita Belkis contou que o Governo fez uma ampla pesquisa sobre a questão. “Dentro de todas as experiências verificadas, a CTR mostrou-se a melhor alternativa encontrada. Nossa meta é expandir a reciclagem para 100%, ou seja, vamos coletar mais, teremos menos rejeito e, consequentemente, a quantidade de lixo será menor”.
O superintendente Haroldo Adilson Maranho explica que há anos está em estudo soluções para se dar fim ao Aterro Controlado. “A prefeita Belkis determinou a resolução desta questão o mais rápido. Nosso objetivo é manter a parceria com a Recicla Ourinhos realizando a reciclagem de 100% dos resíduos sólidos por meio desta CTR. Já definimos que esta Central é o que melhor se enquadra para realizarmos a reciclagem em nossa cidade e a ideia é transformar o pouco que restar do lixo orgânico em adubo. A população terá um papel fundamental neste novo processo e a SAE fará regularmente campanhas educativas sobre separação correta dos resíduos recicláveis e não recicláveis”, afirma. 
A Cooperativa Recicla Ourinhos destaca que esta nova prática a ser implantada por meio da parceria da Prefeitura por meio da SAE e da cooperativa é inovadora, como explica Matilde. “Esta atitude da prefeita Belkis e do superintendente Haroldo em nos convidar para conhecer novas tecnologias e 
discutir qual a melhor solução para resolvermos a questão do resíduo é inovador no país. Porque vai gerar oportunidades de emprego e possibilitar a inclusão social de muito mais famílias e ao mesmo tempo minimizará o impacto ambiental ao implantarmos a CTR e fechar o Aterro”, frisa.
O Aterro Controlado de Ourinhos que finda sua vida útil no final deste ano, tem sido considerado como adequado pela Cetesb, tendo recebido nota 7,8 do Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Urbanos 2013. Após o fechamento do Aterro Controlado, será realizada a recuperação integral do local.

Mudança emergencial dos planos

A primeira solução pensada pela SAE foi há aproximadamente quatro anos ao destinar uma nova área para se criar um Aterro, mas ficou inviabilizada após a ANAC, há cerca de dois anos e meio, classificar o aeroporto de Ourinhos como Área de Segurança Aeroportuária (ASA). Isto é, aeroportos com esta classificação a ANAC não permite num raio de 20 km, implantar atividades de natureza perigosa, entendidas como ‘foco de atração de pássaros’, como por exemplo, aterro, matadouros, curtumes, culturas agrícolas que atraem pássaros, assim como quaisquer outras atividades que possam proporcionar riscos semelhantes à navegação aérea. Não só Ourinhos, assim como muitos outros municípios com área territorial pequena também estão impossibilitados em ter um novo espaço para o aterro. Esta nova classificação atrasou os estudos em Ourinhos, sendo necessárias novas alternativas para solucionar a reciclagem do lixo. 

Outras Notícias