Por que o Rio Pardo?

Por que o Rio Pardo?

Por que o Rio Pardo?

A água é essencial para a sobrevivência dos seres vivos e de toda água existente no planeta, 97,3% é água salgada e apenas 2,7% água doce. Da água doce disponível na terra, 77,20% está em forma de gelo nas calotas polares, 22,40% se trata de água subterrânea, 0,35% se encontra nos lagos e pântanos, 0,04 % se encontra na atmosfera e apenas 0,01% da água doce é encontrada nos rios.
Com o aumento da demanda mundial devido ao crescimento populacional, a água tem se tornado um recurso natural cada vez mais escasso.
O município de Ourinhos é privilegiado por ser banhado por três rios: Turvo, Pardo e Paranapanema. O superintendente da SAE, Haroldo Adilson Maranho explica o início da história da captação de água na cidade, que foi realizada no Rio Turvo, na década de 40. “Antes de ser iniciada a captação da água foram feitas as análises dos três rios: Turvo, Pardo e Paranapanema. Na época, o estudo apontou a água do Turvo como a mais apropriada, sendo neste rio executada a primeira captação da história de Ourinhos. Devido à distância do manancial, uma adutora partia do Rio Turvo, passava sobre o Rio Pardo e conduzia água bruta para o reservatório central da Av. Altino Arantes, onde era tratada e distribuída à população. Com o passar dos anos, o crescimento populacional exigiu um segundo estudo e projeto, optando pela instalação da nova Estação de Captação e Adução às margens do Rio Pardo. O mesmo estudo realizado na época indicou o Rio Paranapanema como terceira opção para utilização como manancial de captação de água bruta para tratamento”, pontua.

Por que o Rio Pardo?

O segundo estudo foi realizado no início da década de 60, onde, portanto, se definiu que a captação de água bruta seria feita pelo Rio Pardo.



Ainda hoje, o rio atende a demanda de consumo e embora sofra perda de volume e vazão em períodos de longa estiagem, não chega a comprometer em termos de disponibilidade hídrica. A SAE possui um bom sistema de captação e bombeamento, e recentemente a autarquia obteve autorização (outorga) para ampliação da vazão a ser explorada, para 608 litros por segundo, ou seja, mais de 50 milhões de litros de água por dia.
É importante informar que a possibilidade de se utilizar o Rio Paranapanema como manancial de captação foi abordada no Plano Diretor de Águas, realizado em 2012, mas ficou definido que a melhor alternativa técnica e econômica para os próximos 10 anos é a continuidade da utilização das águas superficiais do Rio Pardo, como também a exploração das águas subterrâneas, através da perfuração de poços em locais estratégicos.

Por que falta água em alguns lugares?

Há indagações sobre o fato de Ourinhos ter três rios e mesmo assim ocorrer a faltar de água. O superintendente Haroldo explica: “A falta de água pode ocorrer por motivos diversos como por queda de energia elétrica, readequações, rompimento de tubulação e elétricas no sistema de produção, reservação e distribuição (painéis). Outro fator é o excesso de consumo que ocasiona a diminuição da pressão na rede de distribuição, principalmente nas regiões mais altas”.  
A SAE tem investido sistematicamente em melhorias do sistema de captação de água bruta. Visando à complementação das instalações para aumento da capacidade de captação e bombeamento de água bruta destinado ao tratamento, a SAE iniciou recentemente mais uma obra junto a ETA.
O prédio em construção contém uma torre receptora de água bruta, canal parshall para medição de vazão, dois canais com comportas para regular o fluxo e vazões de água bruta para as câmaras de floculação hidráulica (existente) e mecânica (futura), onde são incorporados alguns produtos químicos para desinfecção, alcanilização e floculação para tratamento, permitindo que os técnicos em produção e distribuição


passem a realizar algumas inspeções também em área coberta. O prédio deve abrigar ainda novas dosadoras de produtos químicos e tanques de armazenamento, podendo também receber equipamentos de controle, monitoramento de vazões e qualidade.
A obra é parte do novo sistema de bombeamento de água bruta em implantação, com capacidade de bombeamento inicial de 20% maior que a atual, com possibilidade de ampliação de vazão nos próximos anos.
Buscando atender a crescente demanda de consumo, principalmente em períodos de longa estiagem e temperaturas altas, a SAE está investindo também na perfuração de dois poços profundos, outorgados pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado, com vazão estimada em 150m³/hora, cada um deles, o suficiente para atender a uma população estimada de 14 mil habitantes, cada poço.
O crescimento populacional em várias áreas da cidade e, a possibilidade de falta de água ocasionada pela elevação do consumo, principalmente no verão, requer investimentos que vão além dos aplicados nas áreas de captação e tratamento. É pensando nisso que a SAE está investindo na expansão da capacidade de armazenamento de água tratada do Jardim Anchieta, onde será executado outro reservatório com capacidade de 1 milhão de litros, propiciando a continuidade do plano de setorização do abastecimento.
O sistema de reservação e distribuição de água implantado na Vila São Silvestre também deve ser melhorado através da implantação de mais um reservatório com capacidade de 1 milhão de litros, visando o atendimento da nova zona baixa em implantação.    

Outras Notícias